sábado, 3 de abril de 2010

E aí pessoal, beleza?

Bom, cá estava eu, na minha casa, neste Sábado de Aleluia, fazendo o de sempre nas horas vagas pra desestressar um pouco: na frente do PC vendo umas besteirinhas de vez em quando, ouvindo música e vendo uns clipes.

Pois bem, eu estava ouvindo um clipe (sim, ouvindo, eu geralmente curto tanto a música que eu nem presto a atenção nas imagens) que eu gosto muito, de um garoto que se autodenomina Funtwo. O clipe consiste num vídeo deste garoto tocando uma música chamada Canon Rock, uma versão “guitarrística” da Canon In D, música natalina (segundo minhas pesquisas) composta por Joham Pachelbel. No clipe o garoto toca um solo de guitarra, que foi composto por outro artista amador chamado JerryC. O garoto mostra extrema técnica e habilidade no instrumento.

Este clipe fez um sucesso enorme no Youtube, hoje em dia já tem mais de 71,5 milhões de acessos, sendo lançado no web site em 2005 com o nome guitar.

O que eu queria dizer com tudo isso é que o Youtube serve como alavanca para grandes sucessos de artistas (aqui no Brasil temos um grande exemplo: Rebolation), mas também existe um problema com direitos autoriais.

No site, é possível colocar quase qualquer tipo de vídeo (existem algumas restrições para conteúdo impróprio para menores de 18 anos), assim como baixá-los (existem programas e outros web sites que permitem essa ação).

Só aí já podemos imaginar que filmes inteiros estão disponíveis no Youtube sem a devida autorização, assim como clipes de artistas e outros tipos de conteúdo. Ou seja, se por um lado temos o impulsionamento da carreira de artistas que estão começando sua jornada no mundo da música, por outro temos a violação dos direitos autoriais das produtoras.

Fica aí a questão para se pensar: até onde podemos chegar com a internet, em temos de compartilhamento áudio-visual? Qual a ética por trás disso?

Segue abaixo os clipes da música Canon Rock, a versão original composta por JerryC, e a versão de Funtwo:


http://www.youtube.com/watch?v=by8oyJztzwo
Canon Rock versão original


http://www.youtube.com/watch?v=QjA5faZF1A8
Canon Rock por Funtwo


Um abraço e, já adiantando: Feliz Páscoa!

5 comentários:

Anônimo disse...

Ah, que ótiiimo post!
Bom, eu acho que a liberdade na internet é algo realmente relativo. Talvez por não ser palpável, sabe? Fica - literalmente - invisível.
Mas, há de se combinar um meio-termo. Acho que a liberdade, em todos (ou quase todos) os casos, vai até onde começa a do outro.
Quando eu baixo um vídeo para eu, digo especialmente eu assistir, é menos agressivo do que disseminar e piratear o mesmo por aí.
Usufruir da internet para fins ilegais se torna uma grande gama de possibilidades, hoje em dia.
E, parabéns pelo tópico, muito bom meeeesmo!

Shelley disse...

Não adianta! Como tudo na vida, vai da consciência de cada um. O bom senso tem que falar mais alto. E quanto a venda de pirataria, por que eles fazem isso afinal de contas? Por que precisam ou por que é mais fácil? É pra se pensar também!

Abraço

Martina Sperling disse...

Acho que o compartilhamento de música, vídeos,
filmes, pela internet é um processo irreversível.

Carlos Fogaça disse...

concerteza martina! chegamos a uma nova era onde nao da mais para reverter, alem do que as gravadoras nao sao os mocinhos nessa historia. colocam os preços das midias altissimas, em um pais como o brasil isso nao é cabivel, mas agora com a internet vao ter de pensar outra maneira para lucrar, ou baratear o preço das midias. gosto muito de ouvir artistas lançando albuns na internet e dizendo que se o publico nao tem dinheiro de comprar cd original baixe ou compre pirata a musica é a mesma acaba só as produtoras deixando de ganhar! VIVA A INTERNET E VIVA O YOUTUBE!!!

Suélen Acosta disse...

O brabo da pirataria é o fato de que muita gente que ta por tras da obra acaba perdendo pois o seu é trabalho é, digamos, roubado.
Agora,se CDs, DVDs e afins fossem mais baratos não seria necesserario comprar cóías piratas ou baixar na net.Não consigo entender o porque de ter um imposto tão alto nesses produtos.

E é irreversivel mesmo.As gravadoras cavaram sua própria cova.

Postar um comentário

 

Copyright 2010 Portfólio Cultural by Guilherme Quadros da Silva.

Theme by WordpressCenter.com.
Blogger Template by Beta Templates.